O PODER DA MARCA – COMO ELAS NOS INFLUENCIAM.

Tempo de leitura: 4 minutos

Em outro artigo nós já abordamos o que é uma marca e como ela é importante para as empresa (clique aqui para ler). Dando continuidade no assunto, no artigo de hoje vamos continuar explorando essa área do marketing que encanta e desafia tantos profissionais.

Antes, entretanto, vamos recordar o que foi dito no outro artigo sobre como podemos definir o conceito de “marca”:

“Nome, termo, expressão, desenho ou símbolo ou combinação desses elementos que serve para identificar a propriedade, a categoria e origem de mercadorias ou serviços de uma empresa e para diferenciá-los dos concorrentes; identificador da empresa ou do fabricante”.

Dito isto, podemos agora entender como a marca influencia as nossas mentes no momento do consumo .

O poder da marca e sua influência sobre nós.

Você com certeza conhece diversas empresas que viraram ícone do produto que elas vendem de tal modo que dizemos seu nome ao invés de solicitar o produto em si. Alguns exemplos disto são:

E você saberia me dizer o porque de utilizarmos o nome de uma empresa ao invés do produto em si? A resposta é bem simples e remete ao tema do nosso artigo… a marca destes produtos!

Quando os consumidores utilizam uma empresa como referência podemos dizer que o pessoal do marketing daquela empresa acertou em cheio o seu objetivo: deixar seus produtos na mente das pessoas.




 

O ponto chave de uma empresa não é (nem nunca foi) a simples venda de produtos e serviços para seus clientes. O que diferencia uma empresa qualquer de outra que é reconhecida mundialmente pelos seus clientes é a experiência que ela oferece.

Comer em uma lanchonete qualquer é totalmente diferente de comer em uma das redes do Mcdonalds. O que muitos oferecem hoje em dia é comparável ao que a empresa oferece, porém, devemos levar em conta que o Mcdonalds foi um dos pioneiros na construção de um modelo de rápido atendimento: o fast food.

Foi a experiência de ser atendido de forma ágil e prática quem trouxe renome a empresa e não a venda de hambúrgueres, coisa que diversas outras lanchonetes já realizavam à época.

O mesmo podemos dizer com a empresa de aparelhos eletrônicos Apple. Desde o momento em que você adentra uma loja da companhia até a abertura da embalagem de seu produto. TUDO foi minimamente pensado pela Apple para que o usuário tenha uma ótima experiência durante esse processo.

Resultado disso? Todos os anos no evento de lançamento mundial de seus novos produtos, as mídias de diversos países ao redor do mundo voltam os olhos para a conferência para saber quais as novidades tecnológicas que a empresa irá lançar.

A Apple não só revolucionou o mercado de smartphones, tablets e aparelhos portáteis de música, ela praticamente os criou e popularizou. Hoje a empresa possui uma legião de fãs e admiradores que estão prontos para defender a empresa com unhas e dentes em debates acalorados de quem é a melhor empresa de tecnologia na atualidade.

E você sabe o que acontece quando uma empresa tem consumidores tão fiéis aos seus produtos? Ela possui uma rede de marketing indireta, onde milhares de usuários e consumidores fazem propaganda “boca a boca” do produto sem que a empresa precise solicitar ou estimular.




 

Marcas como estilo, classe e demonstração de poder.

O que nós imaginamos de uma pessoa quando a vemos com uma sacola da Zara ou um relógio da Rolex. E o que nós imaginamos de outra pessoa quando a vemos com uma sacola do “varejão da esquina”?

Preconceitos à parte, sim, nós seres humanos temos a tendência de rotular e classificar uma pessoa assim que nós a vemos baseado em diversos pontos como roupa que veste, produtos que consome, jeito de falar e, principalmente, marcas que ela utiliza.

É errado fazer isso? Eu acho que sim! Mas todos nós fazemos? Tenho certeza que sim!

Marcas hoje também são utilizadas como status e por isso algumas delas se tornaram tão desejáveis e inalcançáveis. Todos querem ter uma marca X ou Y, afinal ela lhe trará um rótulo que indica que tipo de pessoa você é.

E não é só isso. Grupos sociais tendem a utilizar as mesmas marcas como característica em comum, sendo muitas vezes esse item que as define como parte daquele conjunto de pessoas. Pode ser um acessório, um automóvel, um celular ou até uma simples bolsa. Ainda assim, a marca que a pessoa carrega, para muitos, diz muito sobre a própria pessoa em si!

Como conclusão, podemos entender que uma marca forte pode levar a sua empresa ao topo de seu setor com um conceito simples: se tornar relevante para o cliente não como um produto, mas como uma experiência.

Se gostou do artigo, compartilhe com os amigos!

Até a próxima!

Deixe uma resposta